Espetáculos em Cartaz
'Os Três Porquinho' volta em cartaz no Teatro Ednaldo do Egypto, em João Pessoa PDF Imprimir E-mail
Escrito por Augusto Magalhães   
07-Nov-2014
os_tres_porquinhos.jpg

A Cia. de Teatro Argonautas volta aos palcos para comemorar o 12º aniversário do Musical Infantil "Os Três Porquinhos". O musical estará em cartaz durante todo o mês de novembro, aos sábados e domingos, a partir das 17h00, no Teatro Ednaldo do Egypto (Rua Maria Rosa,284 – Manaíra).  Mais informações pelo fone: 8750.7634.

Segundo o diretor Tony Silva, “Os Três Porquinhos” é uma adaptação da conhecida fábula dos três porquinhos, onde o autor procura manter o tempo e a mensagem principal, tento apenas incrementado com informações didáticas quanto a importância de uma boa amizade e de que a união faz a força. O que busca levar a clientela infantil a uma fabulosa viagem a um mundo de cores e animadas músicas.

Toda a trama do texto volta-se para a estória de aventura dos três porquinhos: Porção, Porquito e Porcolino , que estão em busca de um lugar ideal para  morar . Encontram uma floresta, amigos ,e no entanto se deparam com a chegada de um incrível Lobão, que além de faminto , é também roqueiro. Porção é o porco faminto, que adora comer bobagens, Porquito , é um porco preguiçoso e  atrapalhado , e que adora dançar, e o Porcolino é o irmão mais responsável de todos.

“Mas o texto não estaria completo se não se realizasse numa bela floresta e com outros  animais , a exemplo do sapo Sasá, a adorável e meiga borboleta Lili, Dona Esquilo, Dona Tuca e  o espertalhão do macaco Chico , que ajudam a trama acontecer. E sem esquecer da figura do Lobão , sem ele, é claro que a mensagem não poderia ser passada. O lobo desta estória ,foge do esteriótipo de ser mau, está sempre feliz e a cantar, mas deseja é claro, se alimentar , e para isso é necessário caçar os suculentos porquinhos”, destaca Tony Silva.

Além da estória ser contada de forma diferenciada da original, traz surpresas encantadoras ao público infantil, pois é mesclada com um tom de humor, brincadeiras, uma trilha sonora original e recheada de músicas animadas, e mímicas.

O Espetáculo Musical tem duração de 40 minutos , com adaptação de texto e direção de Tony Silva. E entra em cartaz durante este mês de novembro no Teatro Ednaldo do Egypto para comemorar seu 12ª aniversário de existência.

Elenco:

Porção ..................................... Jerssyca Cristina

Porcolino...................................Bruno Zeta

Porquito.....................................Mateus Mendes

Lobão e Seu Esquilo.................Epitácio Souza

Lili e Dona Tuca.........................Joseni Alves

Sapo Sasá e Macaco Chico......Adriano Marcos

 

Ficha Técnica:

 Texto e Direção – Tony Silva

 Músicas Originais e Sonoplastia – Antero Reis

 Cenário, figurinos e adereços – Geosténys Melo

 Confecção de figurinos – Sanzia Márcia

 Coreografias – Témis Magalhães

 Concepção de Maquilagem – Sergio Lucena

 Execução de maquiagem – O grupo

 Iluminação e Plano De Luz -  Marinalva Rodrigues

 Sonoplastia – Renato Britto

 Montagem – Cia. de Teatro Argonautas

 

Augusto Magalhães, com informações da assessoria da Cia. Argonautas

 
'PETER PAN' é boa opção neste fim-de-semana em João Pessoa PDF Imprimir E-mail
Escrito por Augusto Magalhães   
17-Set-2013
peter_pan2.jpgpeter_pan3.jpgpeter_pan.jpg

Uma ótima opção para as crianças e adultos que curtem teatro infantil neste fim-de-semana é o espetáculo “Peter Pan”, com direção de Tony Silva, que está em cartaz no Teatro Ednaldo do Egypto (Rua Maria Rosa, 284 – Manaíra – João Pessoa-PB), aos sábados e domingos durante o mês de setembro, a partir das 17h00.

A montagem é da Cia. Argonaustas e os ingressos custam R$ 10,00 (estudante) e R$ 20,00 (inteira). Mais informações pelo fone: 8750-7634

Segundo o diretor Tony Silva, “neste espetáculo a Cia. De Teatro Argonautas, já tão conhecida e apreciada por suas montagens infantis, quer simplesmente que as crianças e adultos de cada platéia , vivam e revivam as aventuras e sintam as mesmas emoções puramente daqueles personagens criados para um mundo colorido e fascinantes dos contos infantis. Queremos propor uma aventura a cada cena, queremos ações na vida e a boa música para alegrar as nossas fantasias.

Peter Pan é um personagem criado por J.M.Barrie  para uma peça de teatro, que originou um livro homônimo para crianças publicado no ano de 1911, e de várias adaptações destes para o cinema.  O autor inventou Peter Pan quando contava histórias aos filhos da sua amiga Sylvia.

Peter Pan é um garoto que nunca cresce e que vive na Terra do Nunca juntamente com os Garotos Perdidos e a fada Sininho. Num belo dia Peter Pan visita a casa dos Darling e convence Wendy, João e Miguel a viajarem com ele para o lugar onde vive. Lá todos enfrentarão a ameaça do temível e atrapalhado Capitão Gancho. Peter é o triunfo da infância heróica sobre o mundo adulto, neste musical transparece sobretudo a relutância humana em enfrentar a mudança e o desejo de sermos todos eternas crianças.

A galeria de personagens é inesquecível: Peter Pan, o rapazinho que não queria crescer e que achava que as mães só servem para contar histórias; a cintilante fada Sininho; o atrapalhado Capitão Gancho, cuja mão  fora decepada e substituída por um gancho; Wendy, a menina a quem Peter Pan ensinou a voar para que pudesse acompanhá-lo à Ilha da fantasia, onde seria mãe de todos os garotos perdidos; o crocodilo Tic-Tac, fonte de informação horária na ilha; e, enfim, a própria Ilha da Fantasia, habitada por sereias, índios, fadas e piratas, tudo que de melhor ascende o imaginário mundo infantil.

O espetáculo traz boas novidades: a trilha foi estudada e reelaborada para encantar o público com lindas canções criadas especialmente para este musical, além de um belo visual que nos enche os olhos de beleza e muito fascínio. Traz também surpresas encantadoras ao público infantil, pois é mesclada com um tom de humor, brincadeiras  e recheadas de músicas animadas. O Espetáculo Musical tem duração de 60 min , com adaptação de texto e direção de Tony Silva e direção musical de Antero Reis.

SERVIÇO:

LOCAL: Teatro Ednaldo do Egypto   DIAS:  Sábados e domingos HORA: 17 H          INGRESSOS: R$ 10,00 (estudante) e R$ 20,00 (inteira)

INFORMAÇOES: 8750-7634

FICHA TECNICA:

Elenco:

Erick Davisson – Peter Pan

Gabriela Gullich - Wendy

Bruno Zeta- João

Alfredo Pereira – Miguel e Crocodilo

Epitacio Souza – Capitão Gancho e  George

Joseni Alves  – Sra. Darlyn, Sereia e  Menino Perdido

Valmir Correia – Smee e Cacique

Angélica Nascimento – Naná, Pirata e Menino perdido

 

Adaptação de Texto e Direçao Geral: Tony Silva

Preparaçao e Direçao musical: Antero Reis

Gravado e Mixado do estúdio gota Sonora

Técnico de gravação e arranjos musical – Renato Oliveira

Coreografia: Adriano Marcos

Plano de luz e iluminação: Chico Régis

Trilha Sonora – Antero Reis e Tony Silva

Sonoplastia: Marinalva Rodrigues

Cenografia e Adereços: Neto Quirino e  Epitácio  Souza

Concepção e Confecção de figurinos: Sanzia Marcia

Tecnico de Efeitos especiais: Chico Regis

Contra-regragem e direção de palco – Renato Brito e Francisco Junior

Realização: Cia. De Teatro Argonautas

Por Augusto Magalhães, com informações da Cia. de Teatro Argonautas 

 
'O Pequeno Príncipe' está em cartaz no Teatro Ednaldo do Egypto, em JP PDF Imprimir E-mail
Escrito por Augusto Magalhães   
28-Abr-2013
o_pequeno_prncipe.jpg

O espetáulo 'O Pequeno Príncipe', adaptado e dirigido por Tony Silva, é a grande opção de teatro para crianças e adultos em João Pessoa. A peça está em cartaz todos os sábados e domingos de abril, às 17h00, no Teatro Ednaldo do Egypto (Rua Maria Rosa, 284 - Manaíra). Mais informações pelo fone:  3214-8021.

Trata-se de uma deliciosa e mágica história de um piloto perdido no deserto e um menino vindo de um lugar distante. Juntos, eles compartilham experiências que divertem, encantam e tocam o coração. Alguém já aprendeu algo com uma raposa? Já cuidou de uma rosa por ser mais especial entre as outras rosas? Observou a maliciosa dança de uma serpente? Assim o universo que existe em cada um de nós pode ser um lugar muito mais encantador. Nesta “fábula”, ou melhor dizendo, “parábola”, feita para gente grande, onde as crianças são capazes de entender tudo, passeamos em território de temas “Tabus”, como a morte, e a tristeza em perder alguém de quem se gosta muito, transformando este sentimento em saudade boa, onde a palavra maior será a aprendizagem que este alguém nos deixou. Deste modo , a criança que fomos irrompirá de repente no deserto do nosso coração, em milhas e milhas de qualquer região habitada pelo sentimento mas puro de nossa alma. Trata-se de  um romance de Antoine de Saint-Exupéry publicado em 1943 nos Estados Unidos. A princípio, aparentando ser um livro para crianças, tendo um grande teor poético e filosófico.

Esta é a estória de um príncipe que vivia em um pequeno planeta. O aviador encontra o pequeno príncipe quando seu avião cai no Deserto do Saara. Ele se empenha em consertar seu avião, quando ele ouve uma pequena voz lhe pedindo para desenhar um carneiro, ele observa e  vê o pequeno príncipe.

Segundo a direção do espetáculo, esta aventura propriamente dita, inicia-se quando o aviador descobriu que o príncipe veio de um planeta tão pequeno que ele podia observar o pôr do sol a qualquer momento que quisesse, tendo apenas que se virar. O príncipe tinha uma flor muito especial em seu planeta, uma que ele muito amava. A flor, apesar de bela e cheirosa, era boba e exigente. Mesmo que ingenuamente não tivesse medo de tigres, crendo que seus espinhos a protegeriam, ela exigia que o príncipe construísse uma tela para protegê-la solicitando-o uma esfera de vidro à noite para protegê-la do frio.

Apesar de amá-la, ele se cansou de ouvir suas palavras e suas exigências, por isso ele deixou o planeta.

Antes de chegar à terra, o príncipe visitou muitos planetas: Um rei vivia no primeiro planeta que ele visitou queria ter um súdito, e lhe exigiu obediência. Um homem vaidoso ocupava o segundo planeta, ele queria que o príncipe o admirasse e o aplaudisse sempre. Um bêbado ocupava o terceiro planeta. O príncipe perguntou por que ele bebia, ele respondeu que ele bebia para se esquecer de se sentia envergonhado por beber. O quarto planeta era ocupado por um homem de negócios que não fazia outra coisa senão contar estrelas, dizendo que eram todas dele. O príncipe pensou que esse homem era tão estranho quanto os outros. O quinto planeta era o menor, e era ocupado apenas por um acendedor de lampiões, e foi uma passagem bem rápida. O sexto planeta era maior e ocupado por um geógrafo. Mas ele era incapaz de contar ao pequeno príncipe qualquer coisa sobre o seu planeta, porque não era um explorador, e o aconselhou a visitar a terra.

Quando o príncipe visitou a terra, encontrou um jardim de rosas. Ele ficou muito triste ao perceber que sua flor, que ele achava ser completamente única, era apenas uma rosa comum como aquelas no jardim.  encontrou também a raposa, eles criariam um vínculo, e seriam únicos um para o outro. Deste modo, o  Príncipe percebeu que sua rosa tinha lhe cativado. Ele descobriu que  precisava voltar para casa para cuidar dela. O aviador e a serpente, tem neste espetáculo uma visão singular: a saudade que sentirá de um amigo ao partir, e a única maneira de voltar para o seu Planeta distante. O narrador ficou muito triste, mas o príncipe mostrou que eles  seriam amigos para sempre, bastaria que ele  olhasse para as estrelas...

Em suas viagens, o Príncipe aprende o que significa amar alguém. Ele descobre o tanto que sua rosa é importante para ele, mesmo que às vezes ela seja difícil. As pessoas que vivem sozinhas nos planetas que o Príncipe visita parecem ser uma metáfora da solidão e isolamento entre os adultos. O rei, o vaidoso e os outros ficam presos em uma maneira de olhar para si mesmos e interagir com as poucas pessoas que eles encontram, e são incapazes de genuinamente se comunicar. Eles não guardaram nada da mente aberta que podem ter tido quando crianças. O príncipe sai de toda a experiência crendo que vale a pena amar alguém, mesmo que isto algumas vezes traga tristeza.

O Espetáculo tem aproximadamente 55 minutos, e é recheado com uma trilha musical ao vivo, composta especialmente para esta obra.

 

SERVIÇO:

Local: Teatro Ednaldo do Egypto

Dias: sábados e domingos (abril)

Hora: 17 h

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (estudante)

Informações: (83) 8750-7634 / 3214-8021

Ficha Técnica 

Elenco:

Sávio Farias – Pequeno Príncipe

Epitácio Souza – Aviador e  Bêbado

Nyka Barros – Rosa, Vaidoso, Boneca do bêbado, Raposa

Adriano Marcos – Rei, Homem de Negócios, Serpente

Carlos Oliveira – Músico

Milena Medeiros – Músico

Adaptação de Texto, Encenação e Direção Geral – Tony Silva

Músicas – Antero Reis, Tony Silva e Nyka Barros

Direção Musical – Milena Medeiros

Partituras musical – Carlos Oliveira, Milena Medeiros, Tony Silva e Nyka Barros

Partituras corporal – O grupo

Plano de Luz e Iluminação – Giuliano Barreto           

Cenografia – Neto Quirino

Adereços – Epitácio Souza

Figurinista – Sanzia Márcia

Produção Executiva – Tony Silva

Realização- Cia. De Teatro Argonautas

 
'As Malcriadas' é opção de comédia em neste fim de semana em JP PDF Imprimir E-mail
Escrito por Augusto Magalhães   
13-Abr-2013
as_malcriadas_-_lanamento_dvd.jpg

Depois do sucesso dos espetáculos “ Frenéticas por sexo” e “Dubu no País das Maravilhas”, a Cia. Argonautas de Teatro volta aos palcos paraibanos com uma nova comédia apimentada  e irreverente. O espetáculo de humor escrachado “As Malcriadas”, surge a partir de uma adaptação do  clássico de Jean Genet "As criadas", a proposta maior é  explorar através do cômico a construção do humano e o seu constante desejo de liberdade.

A comédia está em cartaz no Teatro Ednaldo do Egypto (Rua Maria Rosa, 284 – Manaíra – João Pessoa). Mais informações pelo fone: 8750.7634. 

A obra  de Genet, representada pela primeira vez em 1947, critica a moral burguesa da época e põe a olho nu a hipocrisia das estruturas sociais. No texto original, a dupla de criadas  se divertem a imitar e a criticar a madame,  planejando seu assassinato pondo remédio Gardenal no seu chá, para ficar com tudo dela. Este jogo de preconceitos e submissão tão presentes em nossos dias são trazidos com gagues e muita diversão neste espetáculo.

Fazem parte deste espetáculo as personagens já conhecidas em João Pessoa: Tapeba do Cuminho, Madenusa Furacão, Solange e é claro que não podemos esquecer de citar Maria Dubu, personagem já existente neste gênero teatral há mais de 13 anos, a personagem fez parte durante 10 anos da comédia Pastoril Profano, e agora segue sua carreira solo.

O espetáculo tem 60 min. Faixa etária recomendada 15 anos, menor que isto acompanhado com pais ou responsáveis.

SERVIÇO:

LOCAL: TEATRO EDNALDO DO EGYPTO

DIAS: SEXTA A DOMINGO (ABRIL)

HORA: 20 H

INGRESSOS: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (estudante)

INFORMAÇOES: 8750-7634

Por Augusto Magalhães, com informações da Cia. Argonautas. 

 
Confira a programação completa do "Aldeia Sesc 2012", que começa nesta 2ª em João Pessoa PDF Imprimir E-mail
Escrito por Augusto Magalhães   
13-Out-2012

o_rico_avarento.jpg

Começa nesta segunda-feira, 15, o Festival Aldeia Sesc 2012, reunindo grupos de Teatro e Dança de João Pessoa, Brasília (DF) e Salvador (BA). O evento segue até a sexta-feira, 19, com vasta programação cultural e com entrada franqueada ao público. As apresentações acontecem no Teatro Santa Roza e na Área de Lazer do Sesc-Centro. Este ano, o Aldeia Sesc vai homenagear o diretor Geraldo Jorge e o ator Nanego Lira.

Além de atrações nas artes cênicas, o evento promovido pelo Sesc Centro - João Pessoa, contará ainda com atividades diversificadas: Oficinas, Debates, Exibições, Literatura, Música, Cultura Popular e Cinema. Mais informações podem ser obtidas no Sesc.Algumas oficinas acontecem de 15 a 19 de outubro e outras de 22 a 26.

A organização do evento inclui ainda um repertório de Oficinas e Debates sobre os espetáculos apresentados, como forma de intensificar o intercâmbio entre artistas que militam na Paraíba e  outros estados, considerando que a próxima etapa do Palco Giratório coincidirá com a realização do Festival.

As atrações nacionais confirmadas são os espetáculos "CRU", do grupo  Plágio de Teatro, com sede em Brasília – DF, no dia 16/10 ás 20h. A Companhia Hiperativa Comunicação e Cultura, que representa a Bahia, trazendo os espetáculos "Pólvora e Poesia" no dia 17/10 e "Sarau Poético", no dia 18/10 às 20h, bem como o Grupo de Dança do Teatro Alberto Maranhão, sediado em Natal - RN, no dia 19/10 às 21h.

Confira a programação completa das atrações e oficinas do Adeia Sesc 2012:

ESPETÁCULOS:

    15/10
    PROFANAÇÕES, Direção: José Tonezzi
    EXPERIMENTO PINA, Direção: Coletiva
    MACUNAÍMA, Direção: Osvaldo Anzolin
    DANÇA URBANA - "Remember Whlem Components",  Direção: Fagner Almeida
    DANÇA URBANA - "Nossa Cidade",  Direção: Renato Mendes
    DESEJO,  Direção: Maurício Barbosa

    16/10
    Ambiguidades, pequenas coisas a serem ditas - Balé Popular UFPB,  Direção: Maurício Germano
    AUTO BOI DE REIS,  Direção: Zé Hilton
    CRU,  Direção: Sérgio Sartório e Alexandre Ribondi
    AUGUSTO DE ALÉM TÚMULO,  Direção: Maurício Soares
    AMOR OU LOUCURA?,  Direção: Renilson Targino

    17/10
    PORQUE NÃO SERVEM PIZZA NO NATAL?,  Direção: Fernando Teixeira
    PÓLVORA E POESIA, Direção: Fernando Guerreiro
    DANÇA URBANA - "A cultura e o preconceito",  Direção: Tony Juvino
    DANÇA URBANA - "Drugs",  Direção: José Carlos
    ENQUANTO NIBIRU NÃO VEM,  Direção: Eliezer Rolim

    18/10
    O RICO AVARENTO,  Direção: Romildo Rodrigues
    BULIR OU NÃO BULIR,  Direção: Celly de Freitas
    DANÇA URBANA - "O swing do Afro",  Direção: Abimael Santos
    DANÇA URBANA-"A cor e a cultura do povo baiano, herança do povo africano",Direção: Welton  Defino
    SARAU POÉTICO,  Direção: Fernando Guerreiro
    SOPA DE LETRAS - São só palavras. teço, ensaio e cena, Direção: Robert Sodré

    19/10
    OS PROFETAS DA COMÉDIA, Direção: Erivan Lima
    COTTON CLUB , Direção: Alessandra Melo
    EU, VÓS, ELES, Direção: Vanie Rose
    PASTORIL PROFANO, Direção: Nelson Alexandre


OFICINAS:

Oficina “Pina Baush – Repetição da Diferença”

Ministrante: Maurício Barbosa

Local: Sala de Dança do Sesc Centro João Pessoa

Período: 15 a 19 de outubro

Horário: 9 às 12 horas

 
Oficina “Interpretação do Texto Dramático”

Ministrante: Alexandre Ribondi

Local: Auditório do Sesc Centro João Pessoa

Período: 15 de outubro

Horário: 9 às 13 horas e 14 às 18 horas

 
Oficina do Escritor

Ministrante: Archidy Picado Filho

Local: Sala de Ensaio do Sesc Centro João Pessoa

Período: 15 a 19 de outubro

Horário: 15 às 17 horas


Oficina de Sapateado

Ministrante: Alessandra Mello

Local: Sala de Dança do Sesc Centro João Pessoa

Período: 15 a 19 de outubro

Horário: 14 às 16 horas

 
Oficina “O Ator e as Qualidades do Movimento Humano”

Ministrante: Caio Rodrigues e Talis Castro

Local: Auditório do Sesc Centro João Pessoa

Período: 16 de outubro

Horário: 9 às 13 horas e 14 às 18 horas


 
Oficina “Leituras em Cena – Dramaturgia”  

Ministrante: Leonardo Simões

Local: Auditório do Sesc Centro João Pessoa

Período: 17 a 19 de outubro

Horário: 9 às 13 horas

 
Oficina “Produção Audiovisual em Discussão”   

Ministrante: Renato Félix e Tiago Germano

Local: Auditório do Sesc Centro João Pessoa

Período: 22 a 26 de outubro

Horário: 19 horas

 
Oficina “Processo de Realização Cinematográfica”    

Ministrante: Marcus Vilar

Local: Auditório do Sesc Centro João Pessoa

Período: 22  a 26 de outubro

Horário: 15 às 17 horas

Por Augusto Magalhães, com assessoria do Sesc-PB

 

 
<< Início < Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 | Próximo > Final >>

Resultados 1 - 9 de 86

Autor do Projeto e Jornalista Responsável
Augusto Magalhães - 946 DRT/PB

Webdesigner: Walmar Pessoa